Adagio para cordas

Quando apenas uma melodia,
De tantas cordas chorando juntas,
Com dedos e pulsos vibrando vigorosos
Em arcos longos, constantes e suaves,
Correntes de piano a forte, esperando
Dar a vez para cada melodia paralela
Que soando todas ao mesmo tempo
Formam a música, lenta, profunda,
Positivamente angustiante, que se acumula
Até chegar a um duplo f que se esvai

Num corte restaurador de uma paz
Que de tão triste lhe devolve um ar,
Impulso de vida, o prazer de se sentir
Vivo o suficiente para escutar os sons,
Incapaz de digerir ou compreender
A melodia si-bemólica rasgadora de corações.

 

Poesia baseada na peça musical abaixo: