Se puder vir à minha casa…

A limpeza não foi das mais profundas,
Sei que há uns cantinhos de poeira,
Umas teias de aranha escondidas no teto,
Talvez uma ou outra mancha na parede que não consegui tirar;
E hoje mesmo derrubei um prato – se estilhaçou todo,
Logo, se não cuidar, pode ser que ache pequenos cacos de vidro que machucam.
Tento manter a organização, mas nada está perfeito;
Não há condição para uma decoração rebuscada,
Nem mesmo muito senso para embelezar com o pouco que se tem.
Perdoa a mediocridade, perdoa a pequenez!
Tem misericórdia deste coração que é tal qual a minha casa.
Contudo, mesmo com Sua grandeza, humildemente eu peço,
Se puder, venha à minha casa hoje.

[1 Reis 8:27]